segunda-feira, 6 de julho de 2015

ARTES VISUAIS - 8º ANO - 1º BIMESTRE


 SUPORTES CONVENCIONAIS E 
NÃO-CONVENCIONAIS

Entre os meios artísticos tradicionais ou convencionais, três deles manifestam-se em duas dimensões (bidimensional – altura e comprimento): o desenho, a gravura e a pintura. 

Embora o resultado formal de cada um deles seja bastante diferente ( o desenho e a gravura sejam similares), a grande diferença entre eles se encontra na técnica envolvida. Os outros meios tradicionais – a escultura e a arquitetura – manifestam-se nas três dimensões do espaço (tridimensional – altura, comprimento e largura ou profundidade).

Os suportes não-convencionais são aqueles que não são tradicionalmente utilizados nas artes. O corpo pode se tornar suporte em vários momentos, o chão, as paredes, objetos comuns, coisas que normalmente são descartadas... Tudo torna-se suporte para a arte!!!

Em um jogo poético visual, a Onça Pintada nº 1 invade o imaginário infantil e caricatural de animais da floresta.

Contra objetos seriados, Leda Catunda se apropria de um produto industrializado, como um cobertor, para lhe oferecer uma nova e exclusiva identidade. Para tanto, a artista apaga elementos do cobertor e acrescenta outros tantos, agregando valor pessoal a obra.

Há um preenchimento total do suporte não convencional - o cobertor. Refletindo sobre os limites espaciais desta obra, Catunda nem sequer utiliza um chassi para sustentá-la. Suas proporções exuberantes revelam uma interação com o espaço de exposição, destacando sua tendência para o tridimensional.

Por sua vez, as cores vibrantes e o evidente descaso com o acabamento da obra propiciam uma explosão de sensações.


"Atrator Poético” é uma instalação multimídia interativa originalmente concebida pelo SCIArts – Equipe Interdisciplinar. Posteriormente a instalação foi finalizada em parceria com o músico Edson Zampronha.

O diálogo entre imagem e som com o ferro-fluído (um líquido magnético que se conforma ao campo formado por bobinas eletromagnéticas) e a interação com o público constroem a poética da obra.

A interferência do público na imagem produz construções sonoras e a movimentação do ferro-fluído. A imagem dessa movimentação é captada por uma câmera e é projetada numa superfície circular.

A imagem projetada se torna a interface para a modificação do ferro-fluído e dos sons. O público toca na superfície de projeção, circula em torno dela e gera imagens que parecem constelações, formas que surgem e desaparecem, ouve sons associados à imagem, e quando percebe que as imagens projetadas têm relação com o que acontece com o ferro-fluído no totem, volta para observar as formas do ferro-fluído, percebendo o processo e refazendo o percurso.

Participação Especial de Edson Zampronha e Luiz Galhardo.


Didier Faustino – Nem Tudo É Verdade – 2005

Tim Nobel & Sue Webster – Two Executed Lovers – 2009

Nelson Leirner
Leda Catunda - Onça Pintada nº 1







Atrator poético - Grupo SCIArts


Maria Lynch



Atividades realizadas pela Arte Educadora Mariane Moino no 1º semestre 2013,
na Escola Estadual Prof. Túllio Espíndola de Castro, em Jaú - SP.



http://slideplayer.com.br/slide/4101199/





Nenhum comentário:

Postar um comentário